09/11 19h :: Cineclube Delas – Distopias e Feminismos :: Território Inventivo

Hey Rio de Janeiro recomenda o Cineclube Delas.

A 15ª sessão do Cineclube Delas acontecerá no dia 9 de novembro (quinta-feira), às 19 horas, e está cheio de novidades. Mudamos de endereço!! A partir de novembro, nossas sessões serão no Território Inventivo (Rua Benedito Hipólito, 1, Praça XI, centro, Rio de Janeiro). Além disso, firmamos uma parceria com o projeto de formação Visionárias – Produção Executiva no Audiovisual, idealizado por Erica de Freitas. Para celebrar todas estas boas novas, organizamos uma sessão com filmes realizados por mulheres com temática que perpassam Distopias e Feminismos.

A programação inclui a exibição dos curtas-metragens Personal Vivator, de Sabrina Fidalgo, KBELA, de Yasmin Thayná, “Da Minha Pele”, do Coletivo Kbça D’ Nêga, “Fé Menina”, do Coletivo Mulheres de Pedra, “2116”, de Shirley Dioulo, “Solon”, de Clarissa Campolina e “X-Manas”, de Clarissa Ribeiro.
cineclbe2.png

Após a exibição dos filmes haverá bate papo com as realizadoras Sabrina Fidalgo, Rosa Miranda, Dandara Raimundo, Clarissa Ribeiro, Maria Carol e Roberta Costa. A mediação será feita pela antropóloga e professora da FEBF/UERJ-Caxias Ana Paula Alves Ribeiro, que integra a Facção Feminista Cineclube, o Coletivo Negras(fotos)grafias e as Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Entrada Gratuita (sujeita a lotação).

Curadoria: Samantha Brasil.
Consultoria: Filippo Pitanga
Produção: Encantamento Filmes
Parceria: Visionárias – Produção Executiva no Audiovisual
Apoio: Cavideo.

** Sobre os filmes **
PERSONAL VIVATOR
Direção: Sabrina Fidalgo
Sinopse: Rutger é um ET que tem a missão de passar 72 horas na Terra para entender o comportamento humano. Para evitar suspeitas, ele se disfarça de documentarista e escolhe a cidade do Rio de Janeiro para iniciar a pesquisa.

KBELA
Direção: Yasmin Thayná
Sinopse: KBELA é um curta-metragem de gênero experimental que se ramifica em diferentes linguagens artísticas, como literatura, teatro, e uma de suas inspirações é o filme “Alma no Olho” (1974) de Zózimo Bulbul. Representatividade, empoderamento, autoestima e reconhecimento são disputas em que KBELA se insere, onde o desafio é, a partir da criação de novas narrativas sobre a mulher negra, garantir alguma visibilidade que possa interferir, e quem sabe, alterar efetivamente a realidade.

DA MINHA PELE
Direção: Rosa Miranda, Carol Rocha e Mi La e Allan de Souza
Sinopse: Vídeo poesia em homenagem ao Diego Vieira Machado, estudante de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, assassinado no Campus do Fundão em Junho de 2016.

FÉ MENINA
Direção: Coletivo Mulheres de Pedra
Sinopse: Iluminadas pela lua, as deusas adentram o ventre poético do manguezal. Sob a luz da minguante o endeusamento se revela em gestos, movimentos, oferendas que movem a travessia marcada por fé, feitiço e sabedoria.

2116
Direção: Shirley Dioulo
Sinopse: Humano que sofre de transtornos psiquiátricos vive isolado em uma casa aos cuidados de uma sistema operacional robô (Doctus) que também é seu médico pessoal e uma robô doméstica que auxilia na limpeza da casa. Com sua piora uma nova robô é contratada para ajudar no seu desenvolvimento social mas as visões e sons em sua mente aumentam junto com um sentimento de perseguição e desprezo causado pela nova robô. Surge então a ideia para a solução de seus transtornos: se tornar também um robô.

SOLON
Direção: Clarissa Campolina
Sinopse: Uma fábula sobre o surgimento do mundo, apresentado a partir do encontro de uma paisagem devastada e uma criatura misteriosa. Solon habita o espaço extremamente árido e infértil. Aos poucos, ela se destaca da paisagem, aprende a se movimentar e explorar seu corpo. Verte água por suas extremidades e inicia sua missão de regar e nutrir a terra. A paisagem se altera e a própria personagem também. Nasce o mundo. Nasce a mulher.

X-MANAS
Direção: Clarissa Ribeiro
Sinopse: Recife, 2054. A população da cidade se divide em dois grandes estratos. No alto, a esterilidade e apatia dos moradores de grandes prédios e donos de empreendimentos comerciais . No submundo os dissidentes sexuais, bichas bandidas, travestis, sapatonas boladas e todos os corpos marginalizados perante a cisheteronorma. Performando suas identidades e indo contra todo tipo de opressão, os dissidentes se reúnem e bolam um plano.

 


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s